Páginas

sábado, 17 de março de 2012

Entrevista e Resultado do Sorteio!

Boa noite, gente!
Em primeiro lugar, venho postar uma entrevista que fiz com a autora Fabiane Ribeiro. Ficou bem legal, espero que gostem!



   

Como ocorre o processo de escrita de um livro? Você escreve rapidamente ou faz pausas durante a criação?
Eu apenas começo a escrever um livro quando já tenho o esboço de toda a história e, principalmente, o final definido. Só consigo começar, quando sei exatamente a que lugar pretendo chegar. Mas, claro, durante o processo de escrita muitas novas ideias surgem e, com isso, costumo fazer algumas pausas, sim, para repensar a história como um todo.

 De onde você tira inspiração para escrever os seus livros?
A inspiração é sempre a vida! A minha inspiração vem de tudo ao meu redor, tudo o que já vivi, e tudo o que estava vivendo no momento em que escrevi o livro. Geralmente não há um fator específico que me inspire ou que traga a ideia para um livro, tudo vai surgindo aos poucos...

No caso específico de "Corações em Fase Terminal", como surgiu a ideia?
Meu segundo livro publicado é “Corações em Fase Terminal”. Eu queria escrever sobre o peso de nossas escolhas erradas, mas a ideia, como sempre, foi surgindo... Um pouquinho a cada dia, quando menos se espera. Assim a cidade, os personagens e cada história paralela à narrativa principal foram ganhando vida em minha cabeça.
Ele conta a história de Cátia, uma dependente química que, após quase acabar com a própria vida, acorda em uma nova realidade, com o coração preso e manchado em uma caixa, e uma imagem real de si própria presa a um espelho repugnante. Sua missão passa a ser cuidar de seu coração, assim como todos naquele estranho lugar. E no caminho, ela encontra lições sobre: família, amizade, amor, separações, escolhas, e descobre que as respostas para sua cura estão e sempre estiveram em seu interior.
O livro acaba não tendo como foco a questão dos vícios, e sim a jornada de autodescobrimento e reparação, pela qual todos nós passamos em algum momento de nossas trajetórias. Portanto, como falei, a inspiração é a vida.

 Seus livros têm alguma relação com sua vida pessoal?
Não exatamente, embora eu sempre perceba que acabo deixando rastros meus em minhas histórias e personagens, mas é sempre de forma inconsciente.

 Você costuma se identificar com algum personagem de suas histórias?
Sim, acredito que, apesar de amar todos os personagens, em cada livro sempre tenho um “queridinho”. Eu assumo que tenho um carinho especial pelo Pepeu e sempre terei. Na verdade, pela relação dele com a Anny em “Xadrez”. A Anny é uma criança que enfrenta lições muito duras da vida, e ele surge de forma misteriosa, tornando-se um bálsamo, uma luz no fim do túnel, um protetor, um irmão mais velho... e algo que ela nunca teve: um amigo. A Anny passa a amá-lo demais e de forma pura, e é esse amor que senti ao escrever cada cena em que ele esteve.

 Como você concilia a "vida de escritora" com a "vida de médica veterinária"?
Na verdade, não concilio. No momento estou apenas investindo em minha carreira de escritora. Sou recém-formada em Medicina Veterinária e, como estou mudando de editora e os livros estão tomando grande parte do meu tempo, tenho me dedicado apenas a eles.

 Quais são seus próximos projetos literários?
São muitos! Tenho cerca de 30 livros esboçados! No momento estou finalizando meu terceiro romance, que publicarei este ano, e aguardando para trabalhar no relançamento de “Xadrez”, que será reeditado pela Universo dos Livros para o segundo semestre de 2012.

 Para maiores informações sobre a escritora Fabiane Ribeiro:

www.fabianeribeiro.com.br
www.reinoxadrez.blogspot.com
@fabiribeirovet

Além disso, sem mudar de assunto hehe,  venho anunciar o resultado do Sorteio Autoras Parceiras. Como vocês sabem, o sorteio foi realizado em parceria com as autoras Fabiane Ribeiro e Valentine Cirano.


Vamos direto ao resultado:

As ganhadoras são...


SUZANA MOREIRA

 E...


PHAOLA HETTESHEIMER


Vou enviar um e-mail para as duas e ficarei esperando uma resposta por 48h, ok?

Até mais!
Cris